DECORAÇÃO,  Decorar,  jardim

Recuperei minhas begônias murchas com a rega de emergência

Senta que lá vem história. Uma história sobre mortos-vivos. Esqueça o cachorro, esqueça o gato, minha mãe tem uma Begônia Rex que é, sim, uma integrante da família. Tem mais de 35 anos. Ela teve uma filha, a begônia. Minha mãe disse para eu ficar com ela e, assim, as gerações de pessoas da família se entrelaçariam com as gerações da begônia.

Só que é muita responsabilidade cuidar da Begônia Filha. Então comprei três begônias no supermercado – por que três? por que tanta ganância? porque elas eram lindas, uma vermelha, uma prata e uma malhada de verde e vinho – para treinar o trato com as begônias. E nas minhas pesquisas, todo cuidado era pouco para não molhar demais e apodrecer as raízes.

Esperei que dessem sinais de sede, o que ocorreu logo na manhã seguinte. A vermelha, a maior delas, estava murcha. Tive de colocar um bowl embaixo do vaso para que as folhas ficassem pendentes e não grudassem na geladeira.

Então molhei um pouco a vermelha, com colherinha de chá. Acho que coloquei três. Um dia todo depois e nada aconteceu. Então coloquei mais água, sem calcular muito. Poucas horas depois, estava como nova de novo. Daí aproveitei para regar as outras que, embora não estivessem murchas, a terra do vaso estava bem agreste. No dia seguinte, as menores estavam murchas e a grande também. Concluí, deliberadamente, que havia feito o que a Internet disse para não fazer: afoguei a planta, o que fez as raízes apodrecerem.

Num último fio de esperança, deixei a terra secar bastante. Vai que no meio do processo a planta encontra o equilíbrio ideal entre umidade e secura e volta à vida?

Esperei, esperei, e nada.

Só que descobri mais um fiapo de esperança em mim. Como o não eu já tinha, não é assim que dizem?, então iria atrás da última ação que eu pudesse fazer. Porque era melhor fazer qualquer coisa do que tristemente jogar a planta fora.

Pesquisas depois, encontrei um vídeo que explicava sobre a rega de emergência para recuperar plantas murchas. Mesmo assim, tinha lá minhas dúvidas porque acreditava que minha planta tinha morrido afogada e que o murchismo dela não era de secura.

A rega de emergência nada mais é do que o vaso da planta “tomar um banho de banheira”, de imersão. No caso da begônia, duas horas com o vaso imerso em água, cuidando para que a borda do vaso fique para fora do nível da água. A ideia é que ela se infiltre por baixo do vaso, atingindo todas as partes da planta, e não por cima da terra. Antes de colocar o vaso, pingue poucas gotas de detergente neutro para quebrar a tensão superficial da água, misture bem e está preparado o banho.

Achei uma loucura total para as minhas begônias já afogadas. Mas pensei: qualquer ação é melhor que nenhuma.

E gente, duas horas depois, minhas begônias, as três, a grande e as duas menores, estavam vivas de novo. As folhas se reergueram. Na verdade, elas levantaram por completo ainda depois que as tirei do banho. Deixei elas à noite sobre a bancada da pia, que é de inox, para que a água escorresse bem. Só voltaram para os cachepôs no dia seguinte.

Aqui, alguns registros na UTI, durante a rega de emergência:

 

Este é o vídeo que explica sobre a técnica. É da jardineira Carol Costa, a do programa Louca das Plantas do canal GNT:

Cada planta tem um tempo específico de imersão. O lírio da paz, uma outra espécie que ela mostra no vídeo, fica mais tempo na rega de emergência do que a begônia, por exemplo.

 

Adoro planta com cara vintage e a begônia é uma delas. As partes falhadas e secas são um resquício da sede aguda. Mas que sede, hein? Tá loco. A minha zamioculca toma algumas gotinhas debaixo da língua a cada mês, e olhe lá.

 

Várias folhas novinhas que, se tudo der certo, irão substituir as prejudicadas com muita beleza.

 

Usei o bowl de suporte para ajudar com as folhas murchas e acabei gostando tanto da composição que deixei assim mesmo. Virou tendência. Último grito isso.

 

E ela gostou de ficar sobre a geladeira.

 

Agora, uma visão com o drone. Mentira.

 

Tenho esperança de que vou me tornar uma dona de planta melhor, sobretudo com as begônias, seres de muitos sentimentos e gênios. Quero muito que minha casa se torne um lar para a Begônia Filha e que todas elas, a filha e as irmãs postiças, tenham muitos momentos felizes juntas.

Fotos e texto de minha autoria, Juciéli Botton, para a Casa Baunilha.

8 Comentários

  • Juçára Ehlers

    Adorei a dica de salvamento das begônias.Elas estão lindas!
    Vejo que estás preparada para cuidar da begônia filha.
    Fico tranquila. É só vir buscá-la. Bj.

  • SUELI NASCIMENTO

    Obrigada pelas dicas. Fiquei ainda com essas dúvidas:
    Após a rega de emergência, com que frequência você passou a regar essa planta? E a quantidade de água em casa rega?
    Grata!

    • Juciéli

      Sueli, as regas não seguiram um padrão, porque há dias frios, quentes, úmidos, secos, então ela varia. Eu faço o teste de passar o dedo na terra. Se ficar limpo, quer dizer que está seca e que precisa de água. E como meu vaso não é muito grande, não é muita água. Vou colocando pouquinho e próximo da borda do vaso, tenho receio de apodrecer os caules, pois parecem ser feitos de água, hahaha. Se o dedo ficar sujo de terra, quer dizer que ainda está úmida e que não precisa de água. A própria planta dá sinais, quando começa a secar as pontas das folhas é falta de água. Quando murcha, é excesso. Dizem que elas sentem os dias quentes e secos assim como nós. Se você estiver morrendo de calor e sentir sede, provavelmente tuas plantas também estarão sentindo os efeitos dos dias extremos – tanto frio quanto calor. Daí é bom chegar junto e ver qual é a situação delas. Às vezes, num dia de verão escaldante, que no anterior você já regou, tirar a planta do sol direto, por exemplo, ou levar para uma parte da casa que seja mais fresca, já resolve. Só que elas precisam voltar para o lugar, parece que plantas não gostam de ficar vagando pela casa. Não é uma ciência exata mas espero que ajude ; )

  • Luís Felipe

    Achei perfeita a sua explicação. Acabei de comprar uma begônia e elas são realmente temperamentais. Muita água, murcham e ficam todas caídas, parecem gelatina. Pouca água, já começam mostrando a pontas secas e nesta situação que a minha se encontra. Não a deixo no sol, apenas na claridade. Fica na minha sala. Mas achei que ela inicialmente foi afogada pela minha esposa e não tenho certeza se as pontas secas são processo de secura ou do apodrecimento das folhas pelo excesso de rega. Já se deparou com essa situação?

    • Juciéli

      Muito obrigada, Luís Felipe.

      Já tive essa dúvida também e, pelo que pesquisei, vendo especialistas em plantas falarem, as pontas secas são um indicativo de falta d’água mesmo, de sede. É que a gente não dá tempo ao tempo, às vezes, e acaba tentando salvar a planta que estava seca regando muito, então ela, que já tinha pontas secas, também murcha de tanta água e a gente acaba não sabendo fazer a leitura direito porque as duas mensagens da planta se sobrepõem.

      Acho que as plantas “escolhem” partes delas mesmas para abrirem mão em troca de direcionar a pouca água que ainda têm para outras partes que consideram importantes. É mais ou menos o que acontece no corpo humano em algumas situações. O corpo entende que precisa irrigar órgãos importantes como o coração em vez de enviar sangue para extremidades, como pernas e braços. Por isso algumas pessoas acabam perdendo seus membros. Meio triste esse papo mas consigo visualizar isso também nas plantas. Da mesma forma acontece com aquelas folhas amareladas que aparecem nas jibóias dentro de casa. A planta concentra numa folha uma substância não legal, que pode estar no solo, para se livrar, porque as folhas amareladas caem.

      Então, retomando, pelo que pesquisei, as pontas secas nas folhas indicam falta de água.

      Bom trabalho aí com a begônia ; )

  • Elaine Guedes

    Boa tarde Juciéli.

    A minha begônia está com os caules parecendo encharcados.
    Será que se replantar, ela terá alguma chance??
    Eu tb errei em colocar água😔😔😔
    Obrigada e Deus a abençoe.

    • Juciéli

      Oi, Elaine, tudo bem?

      Muito interessante a tua dúvida, porque parece sensato trocar de vaso/terra para retirá-la da grande quantidade de rega para um ambiente mais seco. Confesso que não sabia a resposta, então pesquisei e acabei encontrando um link com muitas informações e um passo a passo bem explicado sobre como proceder em caso de rega em excesso. Vou colar o link aqui para você acessar e ver como salvar tua begônia:

      https://pt.wikihow.com/Salvar-uma-Planta-Regada-em-Excesso

      (se não ficar em forma de link clicável, copia e cola no navegador)

      Achei bem interessante pois há várias informações úteis para observarmos nas plantas.
      Espero que ajude!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *