• Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    Revitalização da Orla do Guaíba | Usina do Gasômetro

     

    A passos envelhecedores, sem nenhuma pressa, vemos alguns melhoramentos sendo feitos na capital do Rio Grande do Sul. A obra de revitalização da Orla do Guaíba ainda não foi concluída, está mega atrasada, mas parte da área do Centro Cultural Usina do Gasômetro foi entregue à população.

    O pôr do sol no Rio Guaíba é patrimônio daqui. É motivo de orgulho para nós termos um dos pores de sol mais lindos e, não poderia ser diferente, é uma das atrações turísticas da capital. Portanto, ter um lugar para usufruir desse espetáculo com segurança e conforto é claro que é tudo de bom. Isso significa, também, usufruir do fato da cidade ser costeada por um rio – quem acompanha o blog já notou que eu me irrito em ver Porto Alegre não aproveitar esse recurso. Em todas as cidades deste mundo que ficam à beira de rios, baías e praias, a área mais valorizada é a região da orla. Menos em Porto Alegre. E esse não é um problema que envolve somente questões políticas. O porto-alegrense em geral não gosta de mudanças. Para conseguirmos aprovar melhorias nos espaços é um deus nos acuda.

    Mas um fato que nós não podemos negar é: gente atrai gente. Se ao menos os próprios moradores da região da orla frequentassem a área, isso atrairia mais gente. Só que a orla de Porto Alegre é assim, digamos… uma terra sem lei. Abandonada, sem estrutura nem segurança, não há movimento e, então, como os moradores fariam suas atividades por ali? Atraindo espaços de lazer, comércio e até mais empreendimentos imobiliários, tornaríamos a área mais habitável e, portanto, mais usável, durante todos os dias da semana e, inclusive, nos horários noturnos. Teríamos mais pessoas trabalhando – olha a geração de emprego aí, gente. E outras tantas morando na região que, ao retornarem para casa após o trabalho, ainda teriam segurança para realizar suas atividades na rua, seja uma caminhada ou ir ao supermercado. Faríamos circular vida pela área atraindo até pessoas de outros bairros. Isso nos tornaria mais interessantes inclusive para o turismo, outro ponto no qual o porto-alegrense não está muito interessado.

    Não estou falando de um trecho específico. Estou falando de mais de setenta quilômetros de orla, gente.

    Pois bem. Dito isso – pois Porto Alegre precisa desse debate e também de um resgate, urgente – eu compartilho aqui meus registros das novas instalações, que fiz quando estive por lá há algumas semanas, pouco depois da entrega. Uma tarde daquelas, com um céu daqueles, com o pôr do sol sensacional de sempre.

     

  • Morro Reuter,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    O planeta singular da Anelise Bredow

    A Anelise Bredow é uma dos vários artistas que se estabeleceram na cidade de Morro Reuter, na serra gaúcha, e que integra o Caminho das Artes da região, com vários ateliês que podem e devem ser visitados. Em breve, farei um guia do que fazer na cidade pois não é pouca coisa, não.

     

     

    As peças da Anelise carregam um estilo bem próprio. Singular é a palavra. Quando criança, Anelise era fascinada pelas pequenas pecinhas que existiam dentro dos aparelhos de rádio e TV que o pai consertava. Tinham formas estranhas e eram coloridas. A partir daí, um mundo de experimentações se abriu diante dela e então surgiu essa linguagem interessante com seres de formas e cores bem características de sua assinatura.

     

    Adoro os enfeites com palavras. Perfeitos para pendurar no puxador do guarda-roupa, na fechadura da porta e como presentes também. 

  • Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    Guia 24 horas em: Porto Alegre

     

    Eu só posso não estar bem mesmo. Criar uma série de posts com ideias para passar 24 horas em cidades que oferecem um mundaréu de opções culturais, gastronômicas e turísticas (as pequenas e tranquilas cidades também terão o seu).

    Mas vamos lá, pois se não são os desafios a vida fica sem graça.

    Quando comecei a pensar sobre o assunto, o que primeiro me ocorreu foi: Estas 24 horas seriam pra quem? Quem é essa pessoa? Alguém que nunca esteve lá, uma pessoa que até já foi ou um morador local? Então compreendi que o personagem principal é a própria cidade e o pano de fundo são as 24 horas. Ou seja, independe da pessoa. Dito isso, que impressão alguém poderia carregar depois de transcorridas as 24 horas? Que cheiro marcante ficaria da experiência? O que teria visto que não se repetiria em nenhum outro lugar?

    De repente, entendi tudo.

    No Guia 24 horas não há distinção entre dias de semana e finais de semana e as atividades condizem com os períodos do dia e não necessariamente com horários rígidos e oficiais. Ou seja, confira data e horários de funcionamento dos locais para o seu planejamento.

     

    PORTO ALEGRE | RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

    7h30 | Bom dia! Vista a manta e a touca de lã ou coloque uma regata e chinelos, depende de como a cidade acordou hoje.

    8h | Comece com um café da manhã na Lancheria do Parque, tomando o suco natural especialmente servido na jarra do liquidificador.

    Atravesse a Av. Osvaldo Aranha com toda a atenção voltada para suas palmeiras imperiais enfileiradas, lembrando da avenida Mulholand Drive do filme Cidade dos Sonhos, do David Lynch. Eu sempre lembro.

    Caminhe pelo Brique da Redenção e aproveite toda a vibe que a simbiose parque-feira-pessoas proporciona. Ande na roda gigante do Parquinho da Redenção para uma visão privilegiada do topo das palmeiras e prédios da Osvaldo Aranha e do verde do Parque da Redenção.

     

  • Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    O velho cais de Porto Alegre

    Enquanto o sonho de um cais revitalizado e valorizado do jeito que Porto Alegre merece não se torna realidade, eu deixo aqui alguns registros que fiz em março de 2017 desse lugar mágico e icônico. Digo isso porque, ao contrário de muitas comunidades que se desenvolvem às margens de rios e que celebram essa proximidade tendo boas relações com ele, aproveitando ao máximo essa troca, Porto Alegre ainda não aprendeu a ser uma cidade “ribeirinha” – sim, todos nós estamos cientes de que o bom e velho Guaíba na verdade é um lago, mas é um senhor lago, com toda a capacidade de nos proporcionar uma qualidade de vida melhor. Então, pra mim, o Cais Mauá carrega essa aura de que poderia ser muito mais do que é. Seus portões guardam muito da história da capital e o que está por vir, se concretizado, pode inspirar uma metrópole inteira, a viver melhor e de forma mais intensa sua cidade.

     

    Não é só a altura que a água atingiu na enchente de maio de 1941 que deixou marca na parede de um dos armazéns. Teste de cor com três faixas de tinta indicavam a intenção de revitalização. Eu voto no mais claro, bem à esquerda. Tomara que tenham escolhido esse! Imaginem esse amarelo clarinho virando dourado na hora daquele pôr do sol deslumbrante que só a capital gaúcha consegue pintar. 

  • Morro Reuter,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    O mundo encantado da Claudia Sperb

    “Se viver é dor, eu quero o meu troco em poesia.” Foi parafraseando o cantor Itamar Assumpção que a Claudia começou a conversa com nosso grupo de visitantes em seu atelier e, então, naquele momento, eu não queria saber de mais nada. Nem de fazer a atividade com os mosaicos que ela tinha proposto. Eu queria era passar o dia ouvindo ela falar.

     

     

    A Claudia Sperb é um tipo de artista que ela própria é a obra em si. Ela é uma poesia ambulante. É puro coração. E essa poesia e esse coração parece que explodiram na casa-parque-instalação-atelier dela. O lugar é lindo, o verdadeiro país das maravilhas. Fica em uma área de mata atlântica onde podemos ver macacos saltando entre as copas das árvores, enquanto a Claudia olha e diz: Não é melhor eles assim? Livres?

    Passeando pelo parque, a gente enxerga a Claudia em tudo. No lúdico, nas brincadeiras, no feminino, na força que é esta mulher enquanto criadora e guardiã de tudo aquilo e, ao mesmo tempo, nos gestos delicados e na sensibilidade para as questões da vida. Os mosaicos, tão naturais no nosso dia a dia que nem notamos. Como nosso sorriso, um conjunto de várias pecinhas, ou mesmo o teclado em que digito este texto, um mosaico de teclas, ou até mesmo nosso mural virtual de fotos nas redes sociais, aquele mosaico sem fim. As várias pessoas da nossa vida formam um mosaico. Na infância mesmo, quantas brincadeiras envolvendo mosaicos, o próprio Lego ou aquelas pecinhas em madeira com telhados vermelhos, para construirmos cidades inteiras. A própria ideia que ela propôs ao nosso grupo, de criarmos peças para um grande mosaico, em que muitas mãos já são um mosaico de colaboração em si. Mosaicos são o coletivo, o junto, o de pouco em pouco. São a vida.

    E as serpentes são um capítulo à parte na história da sensibilidade da Claudia. Quando criança, perguntou à avó o que eram as flores.

  • Farroupilha,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    Parque do Salto Ventoso em Farroupilha – As ruínas e os pets

     

    No primeiro post sobre o Parque do Salto Ventoso eu mostrei a cachoeira e outras belezas naturais encontradas por lá – cactos ♥. Se você ainda não leu, clique aqui para conferir, porque hoje eu quero mostrar os registros que fiz das ruínas de uma casa construída nos anos 50 por uma família chamada Aguiar, que ficam ali mesmo, no parque.

    Parece que ela tinha cinco quartos e dois salões de festa, um deles com cozinha e banheiro próprios. Adorei o jeito que a natureza decorou o que sobrou de, suspeito eu, um banheiro, emoldurando a parede de azulejos azuis com espécies de samambaias e eras.

     

     

    A casa foi construída numa área que já foi a maior sesmaria do Rio Grande do Sul, por volta de 1885. Sesmaria era a área não ocupada, por vezes até abandonada, que era repassada do Império para os colonizadores. Um hábito trazido de Portugal para facilitar a “domesticação” de um território tão gigantesco como o do Brasil. A área também já pertenceu a um vice cônsul da França no Rio de Janeiro.

    Bom, independente de quem tenha morado ou a quem tenha pertencido,

  • Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    O Desafio Jovem que leva Três Coroas para além do Templo Budista

     

    Enquanto eu conhecia o famoso Templo Budista em Três Coroas ficava pensando, nossa, acho que isso dá um post com os detalhes do décor e tudo mais. Como não havia uma programação de atividades por lá no horário em que eu estava pois era fim de tarde, como vocês podem perceber pela luz nas fotos, o que restava era acompanhar o grupo de pessoas que estava lá para conhecer, olhar os monumentos, visitar os templos e contemplar a natureza. E tirar fotos, claro.

    Pois mal sabia eu que, depois dessa bela visita, de volta ao centro da cidade, eu ainda fosse encerrar meu dia com uma boa notícia. Na verdade, não imaginava encontrar uma jóia rara logo ali. Foi como num episódio dos Simpsons. A história começa com um determinado assunto e, quando você menos espera, a trama já é outra.

    Meu namorado e eu temos um ritual pra conhecer uma cidade que é passar um tempo agradável na praça principal, tomando chimarrão e observando o que acontece, as pessoas, os costumes, o ritmo. Pois na praça central de Três Coroas perguntei a uma mulher onde poderíamos comer salgados, doces, coisas de padaria e café – na verdade eu estava louca por um quindim- e ela “sim, tem um lugar maravilhoso, o Desafio Jovem, fica ali assim, dobrando mais adiante, indo reto, segue toda vida…”. Enquanto nos deslocávamos até lá, ficávamos repetindo que o nome era estranho pra uma padaria ou um café, como assim, Desafio Jovem? O que tem a ver?

    Chegamos e logo vimos que, ao lado, grudada na padaria tinha uma pizzaria, e que a padaria não era só padaria, era um mercadinho. E vimos que as verduras, algumas orgânicas, tinham preços absurdamente baratos. E começamos a fazer as compras

  • Farroupilha,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    Parque do Salto Ventoso em Farroupilha – A cachoeira

     

    Foi lendo o jornal no hall de entrada de um restaurante em Farroupilha que ficamos sabendo da cachoeira do Salto Ventoso. Só que conhecer ao vivo mesmo aconteceu muito depois, no verão deste ano. Estava absurdamente quente. Parecia que estávamos naqueles desenhos do Pica Pau, em que o jacaré tenta fazer uma sopa com ele, e começa a picar cenoura e o Pica Pau acha que é algum tipo de banho especial de spa. E, ainda por cima, estava nublado. Então, se você for conhecer essa beleza no alto verão, prepare-se para o forno pré aquecido a 40 graus e a umidade. Do local e sua. Prepare-se também para a pouca vazão na cachoeira, o que não reduz em nada a beleza dela. É tudo muito lindo. Não há o que supere as belezas naturais seja lá de onde for, não é mesmo?

    Mas nem só de cachoeira vive o parque. Há diferentes vistas que se tem a partir dali, como o vale verde à frente da cachoeira, lindo. Há trilhas que levam a vários pontos de visitação, como as ruínas de uma antiga casa, tomadas pela vegetação, que mostrarei em breve, em outro post. Além disso, o parque fica numa região que há muito foi habitada por tribos indígenas. E a gente fica sabendo disso por placas explicativas que muito me surpreenderam pelas informações, o que faz do Parque do Salto Ventoso diferente de outros locais que eu já visitei aqui no sul que serviram de residência para os índios. A escassez de informação parece ser um padrão. Então, fiquei positivamente surpresa. Porque turismo é isso, é também

  • Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    Meu Iberê

    A intenção aqui não é apresentar ou falar sobre o artista Iberê Camargo. Acho que ele dispensa isso. O que eu quero mostrar, como sempre faço aqui, é o meu olhar sobre o espaço que leva o nome do artista. Eu adoro aquele lugar, e acho que talvez eu consiga fazer vocês entenderem por que causa, motivo razão e circunstância eu adoro aquele lugar. Eu vejo arte pra qualquer canto que eu olho. Vocês vão ver que, literalmente, é qualquer canto. O canto da parede. O canto das vigas. O canto da janela. O canto das rampas. Retas, curvas, vincos, rasgos, luzes, tons, penumbras. Formas, formas e mais formas.

    Amo.

     

     

     

    Talvez, antes de continuarmos, caiba dizer que a Fundação Iberê Camargo foi desenhada pelo arquiteto português Siza Vieira, que arrebatou dois prêmios com ela. Está de portas abertas desde maio de 2008 e tem vista para o acontecimento natural que é patrimônio mundial: o pôr-do-sol no Guaíba. 

  • Morro Reuter,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    Alles Antiquário em Morro Reuter | RS

     

    Uma das coisas que eu adoro na serra gaúcha são os antiquários de beira de estrada. Não tem emoção que se iguale a de estar passando e, de repente, ver surgir um antiquário – pelo menos pra quem adora velharia e decoração como eu.

    Só que mais interessante do que os móveis e os objetos em si é a composição deles no espaço, em como eles estão arranjados em conjunto. O que é um prato cheio pra quem adora fotografar.

    O último antiquário que encontrei foi o Alles, que fica em Morro Reuter. E pelo que vi