• Dois Irmãos,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    Bate-volta Serra Gaúcha #3: salmão ao molho de nata e Cervejaria Hunsrück

    Não podemos “se” entregar pra chuva, de jeito nenhum, parafraseando a música gauchesca, aquela. Tanto é que, este bate-volta na serra gaúcha aconteceu debaixo de chuva. Saio de Porto Alegre com o céu apenas nublado e, mais tarde, a chuva começa a dar o ar da graça e o tempo oscila o dia inteiro entre chuviscos e chuva mais forte. Isso não pode afastar o desejo de dar um passeio num sábado friozinho. O Bate-Volta Serra Gaúcha de hoje passa pelos municípios de Novo Hamburgo e Dois Irmãos.

  • Crônicas,  Vida e Carreira

    Quem se comunica se complica

     

    Sou só eu ou vocês também não estão conseguindo se fazer entender? Às vezes tenho a sensação de que estamos em uma grande festa com música no volume máximo, em que um fala “Eu acho que o Clint Eastwood devia ter sido indicado ao Oscar” e o outro responde “Pois é, eu preferia o Bial apresentando”. O que se passa? O que eu perdi?

    Tenho certeza absoluta que, no ano de 1923, nenhuma pessoa reclamava do sistema de comunicação. Nenhuma. Eu garanto. Coloco a minha mão no fogo. A galera em 1923 marcando rolê via pombo correio, super feliz, e eu aqui, bem servida de tecnologia, apps e jogando a toalha já. É como estava escrito em um meme: nessas horas eu queria que a Terra fosse plana para eu poder pular da borda.

    Sério, o que está acontecendo? Gente que me conhece parece não saber mais quando estou brincando. Ainda mais agora que qualquer assunto se tornou politizado. Se você está descontente com alguma coisa, com o preço da batata, por exemplo, e comenta sobre isso, recebe uma resposta embalada pelo sentimento guardado da chinelada que a pessoa levou em 1980 do pai. Ou, eu posto sobre o vidro do meu carro quebrado por vândalos e as pessoas comentam “Linda”. Sério, vamos voltar à aula do ensino fundamental sobre interpretação de texto, a capacidade de compreender do que o outro está falando.

    O fato é que, no mundo da comunicação, ela não é o que você diz mas, sim, o que os outros entendem. E do jeito que a coisa vai, com as pessoas respondendo a outras doze ao mesmo tempo, enquanto curtem trinta e cinco fotos simultaneamente, no mesmo segundo em que dizem para o motorista “Pode ir pela Getúlio”, não vejo um futuro bonito à frente. E diante desse cenário, tenho duas alternativas: ou eu tento me comunicar com as pessoas ou eu fico em paz com elas. Já percebi que querer as duas coisas é muita ganância.

  • Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    Onde comer em Porto Alegre | Guia Rápido

     

    Onde comer em Porto Alegre? Onde você quiser, claro. Mas é sempre bom uma indicação de quem já está se alimentando na cidade há algum tempo, não é mesmo? É bem difícil elaborar uma lista como esta. Não somente pela questão do gosto pessoal mas, também e, sobretudo, porque há lugares que são icônicos, que o povo aclama mas que podem ter abandonado o apreço pela qualidade, seja da comida ou do serviço. Ainda bem que temos os velhos de guerra, lugares em que não importa se falta luz no bairro, se a crise aperta, se os caminhoneiros entram em greve: o serviço e a comida parecem inabaláveis. Também há os novos, abertos há pouco, que arregaçam as mangas e batalham para continuarem respirando. Ambos merecem toda a nossa admiração.

    Aqui segue uma lista curta, que chamei de guia rápido porque são muitos os lugares onde se come bem em Porto Alegre. Considerei os que eu gosto e que frequentei nos últimos tempos, garantindo uma avaliação recente. Lugares que, apesar da fama, apesar dos pesares, se esmeram sobre as chapas, os fogões e as facas na capital gaúcha.

     

    À la minuta

    • Dá Domingos. Mesmos proprietários do Tudo Pelo Social, só que menos filas por ser menos conhecido. Na Rua Domingos Crescêncio.
    • Cozinha da Bento. Perto do Hospital Hernesto Dorneles – já fica a dica para quem tem que fazer hora nos arredores, eu sei como é. Pedi a de frango. E a salada que acompanha é de tomate e cenoura cozida, picados e fresquinhos – nada daquelas folhas de alface encostando na mesa e rodelas de tomate opacas que ninguém come.
  • Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    A trilha sonora de Porto Alegre: Ramilonga de Vitor Ramil

    Contagiada pelo aniversário de 247 anos da capital gaúcha, fiquei lembrando de suas músicas. Há muitas canções que cantam Porto Alegre. Quando pensamos no assunto, as que geralmente vem à cabeça dos gaúchos é Deu pra ti, de Kleiton e Kledir, ou a Porto Alegre é demais, eternizada na voz de Isabela Fogaça. A Horizontes, criada por Flávio Bicca Rocha para a peça Bailei na Curva também acabou caindo no coro dos porto-alegrenses. Não nos esqueçamos da história contada em Amigo Punk, da banda Graforréia Xilarmônica, e do grande Teixeirinha com a música Porto Alegre. E tantas outras.

    Mas a que me provoca uma saudade embrulhada em lágrimas, aquela que combina perfeitamente com o frio que é só nosso, com o vento que corre sobre o Guaíba, com as ruas vazias do Centro Histórico, aquela que dói é: Ramilonga, de Vitor Ramil. É das coisas mais lindas. Apenas violão e voz. Precisa mais? Aperta o play enquanto eu me encarrego do visual, com algumas fotografias que fiz ao longo dessa vida porto-alegrense.

  • Por aí,  Porto Alegre,  Rio Grande do Sul

    Porto Alegre: 247 anos

    A capital dos gaúchos, a minha cidade do coração, completa 247 anos hoje. Aproveitei os festejos e fui ali no menu do blog, na categoria Por Aí, e cliquei em Porto Alegre, of course, para recordar o que eu já tinha escrito sobre ela. Rolar a barra para baixo foi como ver passar aquele filme da vida. Muitas homenagens, recordações, indicações de endereços legais, reverências a espaços simbólicos da capital e, também, algumas críticas a quem não trata muito bem a menina moça dos pampas. Porque se tem algo que acho que nós podemos fazer, enquanto viventes em uma cidade, seja qual for, é olhar para ela com olhos críticos, para elogiar e prestigiar o que está muito bom obrigado e, também, para nos indignarmos e tornarmos urgente alguma mudança. Não esquecendo que nós também fazemos parte do fazer a mudança.

    Tão bonito ver a própria comunidade se organizando e colocando a mão na massa para revitalizar a escadaria General João Manoel, por exemplo, no Centro. Não só revitalizando como, também, tornando possível que pessoas passem por ali. É incrível o poder que esse tipo de iniciativa tem porque o fato não é que há policiamento por lá, garantindo a segurança. Na verdade, não há ninguém lá. A escadaria apenas foi limpa, restaurada e pintada, colorida, na verdade, o que a torna um lugar favorável à passagem de pessoas. Com o movimento, pessoas atraem mais pessoas e, assim, a sensação de segurança é transmitida à população que precisa transitar por ali. Isso é transformador. Outro exemplo é o investimento de alguns empresários e chefs que decidiram abrir seu negócio na Escadaria da Borges, por onde não temos mais medo de passar, muito menos de estar. As próprias feiras, de produtos orgânicos e de artesanato, espalhadas pela capital em lugares que há muito não sabiam do que se tratava a presença humana, tornam esses espaços aprazíveis. Eu adoro isso, pois só comprova que a cidade está sempre pronta para ser parceira, de forma bonita, útil e segura. A cidade não tem culpa de nada. Nós é que precisamos nos organizar, tomar para si a responsabilidade, não somente da cidade mas, também, do nosso próprio crescimento que, dessa forma, a cidade cresce junto. Em beleza, em movimento, em convívio, em oportunidade, em segurança, em prosperidade.

    Então, retomando, vou listar as postagens que fiz sobre Porto Alegre aqui na Casa Baunilha, em ordem cronológica, isto é, da mais antiga para a mais recente. Clique nos títulos para acessar as publicações.

  • Por aí,  São Paulo

    Um domingo na Paulista

    Eu tive a sorte de transitar pela Avenida Paulista em um domingo. Era maio de 2018. Eu sei, paulistanos dirão que é clichê, moradores da região torcerão o nariz, pois sei que muitos não gostam do que a avenida se tornou aos domingos: um grande shopping/lollapalooza que incomoda os moradores. Só que era a minha primeira vez em São Paulo. Visualizem uma pessoa que adora a obra da Lina Bo Bardi e que sempre teve o fetiche de conhecer o genial vão do MASP. Foi com esse coração que fui para a Paulista naquele dia: achando que conheceria a arquitetura da Lina e as obras no museu e ponto.

    Sem saber de nada, inocente, saí da Treze de Maio contornando a Japan House (também um espaço cultural muito do legal para conhecer) e, entrando na Paulista, vi que ela estava com o trânsito bloqueado. Era dia do povo usufruir. Achei incrível. Desde 2016 a avenida integra o projeto Ruas Abertas e se tornou um dos espaços de lazer mais procurados. Pena não ter um chimarrão comigo para ficar curtindo o dia pela rua mesmo. Pois chegando no MASP vi que tinha uma feira de antiguidades acontecendo sob o vão. Com essa eu não contava. Pensei: o que faço primeiro? Como se não bastasse, uma outra feira acontecia do outro lado da rua, na Praça Trianon, com artesanato, gastronomia, floricultura e muitas outras coisas. Sem contar que as exposições que o MASP oferecia no momento eram muito fracas (sarcasmo), com obras do Aleijadinho, da Maria Auxiliadora, e do acervo com Picasso, Van Gogh, Matisse, Modigliani, Portinari, coisinhas para serem vistas com calma, entende? E, ainda, expostas nos cavaletes de cristal, originais do projeto dos anos 40 da Lina Bo Bardi. E eu ainda sonhava em ir na Feira do Bixiga, que acontece no mesmo dia mas em outro bairro – sonho meu, sonho meu… dizia a música.

  • Florianópolis,  Por aí,  Santa Catarina

    Ribeirão da Ilha | Floripa

    A placa da praça diz “Antônio Antunes da Cruz tinha razão. Não há coisa mais linda que seu Ribeirão”. E eu também fiquei encantada com a região – pra manter a rima, claro. Ribeirão da Ilha foi mais um lugar histórico que eu quis conhecer em Florianópolis no ano de 2018, mais precisamente em maio. Gosto de conhecer os lugares em baixas temporadas. E bota baixa, parecia que não tinha mais ninguém por lá. O que eu adoro. Mas não é por mal, não, gente. É que ver pessoas jogando lixo no chão acaba com o meu dia. Fotografar as casas antigas com um caminhonetão estacionado em frente me deixa de mau humor. O pessoal que fica duas horas fotografando em frente a um monumento até o último fio de cabelo sair alinhado na foto, sem considerar que tem mais gente nesse mundo, também pode acabar com o clima de férias. Então, chegar em Ribeirão da Ilha e reparar que só tinha nós por ali foi uma sensação das boas. Como fica de frente para a baía sul, as ondas são pequenas e calmas. Oferecem aquele barulho de água quase como o das fontes que muita gente tem em casa para criar um clima de relaxamento e paz. Imagina um carro estacionado bem ali com o som alto, estourando as caixas? Se você também desmaiaria só de pensar em não poder ouvir o som do relaxamento e da paz, minha dica é: vá em maio.

     

    Além da tranquilidade, Ribeirão da Ilha tem não somente a beleza natural mas, também, aquela construída, que enche os olhos, pelo menos de gente como eu, que gosta de admirar as construções antigas, os detalhes da arquitetura açoriana e histórica. Dizem que foi em Ribeirão que os primeiros portugueses que chegaram à ilha de Floripa desembarcaram, em 1506. Um lugar com muita história pra contar, além da produção das melhores ostras – dizem os especialistas.

  • Crônicas

    5 frases sem sentido que ouvi enquanto reformava meu apê

     

    Reformar tem lá seus momentos tensos. E reformar o imóvel no qual se mora, com menos de cinquenta metros quadrados é, talvez, das coisas mais radicais que alguém pode fazer na vida. Daí o primeiro pedreiro com quem você acerta arranja outra obra para fazer bem no dia que ele ia começar a sua. Daí o segundo pedreiro diz que o sifão da pia que você comprou não é bom, e que o rejunte também não é bom. Daí quando a poeira toma conta de todo e qualquer canto da casa, até debaixo da lona que você pôs para proteger os móveis, dá vontade de chorar no cantinho. Daí o piso taco que você ama fica todo “arranhado”, pra não dizer um palavrão. Daí você depende do banheiro da academia para seguir com a sua vida porque o seu único banheiro está em obras. E como se não bastasse, para piorar, ainda ouvimos frases que não ajudam nenhum pouco e que só aumentam o nosso nível de estresse. Algumas, depois que, literalmente, a poeira baixa, soam até engraçadas. E eu é que não vou perder a oportunidade de fazer graça, não é mesmo? Então, aqui vão as cinco frases sem sentido que ouvi enquanto reformava meu apê – e contando.

  • RECEITAS

    Quiabo na manteiga

     

    Depois que o meu marido comprou quiabo na feira achando que estava levando aspargo, o quiabo nunca mais saiu do cardápio da nossa casa. Simplesmente adoramos. Tanto é que, às vezes, ele é preparado como aperitivo. Enquanto fazemos a janta, beliscamos quiabo tostadinho, feito na manteiga apenas com sal. Que eu me lembre, oficialmente, antes disso eu tinha comido quiabo apenas uma vez, numa receita feita pela Dona Teresa, mineira e mãe da minha tia. Eu nunca mais esqueci daquele prato porque tinha ficado sensacional. Que trem bom! Só que achava que era um daqueles ingredientes que exigiam técnicas difíceis de dominar. E quando me vi diante de um punhado de quiabo, tive de me virar. Pesquisando daqui e dali, entendi que o segredo para evitar que a baba se manifeste, digamos assim, é impedir que o interior do quiabo entre em contato com a água.

  • DECORAÇÃO

    Como eu parei de acumular

     

    Estes pacotes na foto, com dezenas de saquinhos para presente, você encontra em casas de papelaria especializadas. E na minha.

    Faz alguns posts que compartilho no blog a odisséia para descartar itens e partir de uma vida acumuladora para uma melhor, na tentativa de abrir espaço para o que está por vir, além de viver com, como é mesmo… qualidade de vida. E com o tempo, fui percebendo onde estava errando, amadureci e aperfeiçoei o olhar para o que deve ficar e o que deve ir embora. Agora vou dividir com vocês o processo que desenvolvi, mas de uma maneira natural, até, conforme as situações foram acontecendo. Dividi em três etapas, a Autoanálise, a Mudança Mental e o Processo. E, ao final, ainda compartilho o que ficou dos ensinamentos da Marie Kondo. Espero que eu consiga te ajudar contando a minha experiência, que é muito mais sobre questões internas do que aquelas dicas do tipo “posicione os itens assim” ou “dobre assado”. Parece até meio piegas mas, acredite, a mudança é interna.

     

    1. A AUTOANÁLISE

    É coisa da minha cabeçaCom certeza, o ato de guardar algo é consequência de alguma necessidade. Às vezes ela é bem clara e definida – e válida – e, às vezes, não. Pode haver componentes psicológicos nebulosos no subconsciente envolvidos no processo de acumular itens. Boa parte do que acumulei foi durante a minha adolescência e faculdade. Períodos em que buscava descobrir quem eu era e o que eu queria fazer. Fases bastante confusas e conflituosas. Embora desde criança eu já guardava muitas coisas. Esse é um dos aspectos que consigo enxergar, aquele que está na superfície. Deve haver muito mais nas camadas profundas.