• banheiro / lavabo,  DECORAÇÃO,  Reformar

    Reforma do banheiro: o que é melhor, cortina ou box de vidro?

    Não precisou de muito tempo de uso do meu banheiro reformado, em que instalei um box de vidro, para perceber que a cortina é a melhor opção.

    Sou eu quem limpo a minha casa e vou dizer a vocês: a limpeza do vidro dura somente até o próximo banho. Os componentes da água, o shampoo, os cremes, o sabão, a gordura corporal, ficam grudados no vidro. E o acúmulo disso tudo, banho após banho, vira um pesadelo na hora de limpar.

    Mas calma lá que ainda tem mais história antes dessa percepção ter acontecido.

    Como o box de vidro é uma ideia já socada pelo mercado na cabeça de quem reforma, como se ele fosse o upgrade da cortina, e como se esta fosse coisa do passado, não nos restava dúvidas de que instalaríamos um box de vidro. Eu queria um com efeito jateado para ter um pouco de privacidade – durante aquele banho de cachorro em que a gente dá uma leve chorada e não quer ficar dando satisfação a ninguém ou durante o momento dos cuidados femininos – além de ajudar a esconder a sujeira do “box por limpar”. Mas meu marido queria enxergar o banheiro como um todo. Dizia “eu tô reformando o banheiro então quero ver o banheiro bonito por inteiro depois”. Como já tinha decidido sobre muitas coisas, decidi que desta vez ele iria decidir. Box de vidro transparente, então.

  • DECORAÇÃO,  Por aí,  São Paulo

    Onde comprar fio de fada e bijus inusitadas na 25 de Março em São Paulo

    É de utilidade pública saber onde conseguimos fio de fada para criar iluminações mil na nossa casa. Eu fiz meu rack da sala com um e queria mais outro para criar uma luminária. E como foi difícil encontrar na 25 de Março, a rua onde se você não encontra é porque não existe, achei melhor compartilhar onde foi que consegui e por um preço até interessante perto do que já paguei. E, de quebra, vou indicar onde encontrei bijus diferentes, como aqueles pares de brincos que vem com uma peça diferente da outra. Adoro.

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  jardim

    Abacateiro de apartamento

     

    Eu não faço de caso pensado. É totalmente instintivo terminar de comer o abacate e fazer brotar sua “sementinha”. Além disso, já parou pra pensar, enquanto pesa a fruta na balança do supermercado, que irá pagar bons dinheiros por algo que nem vai consumir? Mas longe de mim fazer da perda de alguns centavos de reais o foco deste texto. Sempre me indignei com tamanha semente ser descartada. Ela é tão volumosa que nem conseguimos chamar de semente. Caroço.

    Pobre semente.

    Então, decidi dar continuidade ao trabalho da natureza. Com quatro palitos de dente cravados nas quatro direções, equilibrei a semente sobre um vaso, preenchendo com água até que esta encostasse. Dali pra frente foi só assistir ao show da vida. Raízes se criaram e pequeninas folhas brotaram.

    Foi, foi que o projeto de abacateiro começou a espichar e ficar cada vez mais alto. A ponto de eu ter que deslocar o móvel da posição original para que o bebê não batesse nas prateleiras acima dele. Sabe como é, família em primeiro lugar. Depois, o layout da casa.

  • DECORAÇÃO

    Como eu parei de acumular

     

    Estes pacotes na foto, com dezenas de saquinhos para presente, você encontra em casas de papelaria especializadas. E na minha.

    Faz alguns posts que compartilho no blog a odisséia para descartar itens e partir de uma vida acumuladora para uma melhor, na tentativa de abrir espaço para o que está por vir, além de viver com, como é mesmo… qualidade de vida. E com o tempo, fui percebendo onde estava errando, amadureci e aperfeiçoei o olhar para o que deve ficar e o que deve ir embora. Agora vou dividir com vocês o processo que desenvolvi, mas de uma maneira natural, até, conforme as situações foram acontecendo. Dividi em três etapas, a Autoanálise, a Mudança Mental e o Processo. E, ao final, ainda compartilho o que ficou dos ensinamentos da Marie Kondo. Espero que eu consiga te ajudar contando a minha experiência, que é muito mais sobre questões internas do que aquelas dicas do tipo “posicione os itens assim” ou “dobre assado”. Parece até meio piegas mas, acredite, a mudança é interna.

     

    1. A AUTOANÁLISE

    É coisa da minha cabeçaCom certeza, o ato de guardar algo é consequência de alguma necessidade. Às vezes ela é bem clara e definida – e válida – e, às vezes, não. Pode haver componentes psicológicos nebulosos no subconsciente envolvidos no processo de acumular itens. Boa parte do que acumulei foi durante a minha adolescência e faculdade. Períodos em que buscava descobrir quem eu era e o que eu queria fazer. Fases bastante confusas e conflituosas. Embora desde criança eu já guardava muitas coisas. Esse é um dos aspectos que consigo enxergar, aquele que está na superfície. Deve haver muito mais nas camadas profundas.

  • DECORAÇÃO,  DIY

    DIY: Tiara de estrelas para o carnaval

    Minha irmã, Cíntia, pediu ajuda para fazer a fantasia de carnaval. As amigas combinaram de se fantasiar de astros luminosos como o sol e as estrelas. Encontramos todos os materiais para o adereço de cabeça no centro de Porto Alegre, inclusive o tecido para a roupa. Minha irmã se dizia sem aptidão para trabalhos manuais. Mas fui deixando ela fazer a maior parte do trabalho e ver que conseguia sim. Qualquer pessoa, com muito querer e dedicação, consegue. Por várias vezes, e já era de se esperar, ela comentou que devia ter comprado pronta. Naqueles momentos em que queimamos as pontas dos dedos com a cola-quente, ou que a purpurina não está fixando, é sempre momento de desejar nunca ter começado um trabalho de faça você mesmo. Mas na real, na real mesmo, quatro coisas: 1) geralmente, o que queremos não existe pronto no mercado; 2) se existe, não é tão maravilhoso quanto o que podemos fazer; 3) usar algo que a gente mesmo fez não tem preço; 4) se ela tivesse comprado pronto, não teríamos tido um dia divertido juntas.

  • DECORAÇÃO,  Reformar

    Reforma da cozinha | Prateleiras de pínus

    Eu ainda vou compartilhar todo o processo de reforma da minha cozinha, como a pintura dos azulejos e o balcão sob medida. Mas como as prateleiras ficaram prontas, achei que já podia compartilhar essa transformação que tanto mudou a cara da minha cozinha e até o meu comportamento, me ajudando a ser mais organizada, mesmo que a reforma ainda não tenha terminado.

     

    Eu já tinha feito um test drive com prateleiras antes destas definitivas. Porque se tem uma coisa que morar em um apê pequeno me ensinou é que quanto mais espaço temos, mais acumulamos objetos. E quando escondidos em armários, nem lembramos que existem. Então eliminei o armário aéreo que existia e instalei prateleiras para que utensílios e mantimentos fossem visualizados.

  • antes e depois,  DECORAÇÃO

    Antes e depois: porta-tempero de vidro novo em folha

     

    Os vidros que possuem o sistema de fechamento hermético são muito úteis. Eles isolam o conteúdo do meio externo por meio da vedação da rosca e, dessa forma, conservam a textura e o sabor do alimento – seu biscoito parece recém saído do pacote. Outra característica muito valiosa de um pote de vidro hermético é a sua transparência, para que o conteúdo seja visto sem que precisemos abrir a tampa, o que reduziria a validade do conteúdo – ou seja, o biscoito ficaria murcho. Porém, alguns desses vidros vêm com um sistema metálico de fechamento que pode enferrujar com o tempo. Foi o que aconteceu com o meu. Mas em nenhum momento pensei em me desafazer dele. Com apenas a retirada das partes metálicas e do anel de borracha já ressecado, ele virou um porta-tempero excelente. A tampa ainda encaixou direitinho e, dependendo do que se guarda nele, não há tanta necessidade de vedação, como no caso das folhas de louro já secas.

     

    Eu adoro reaproveitar vidros. E, ainda por cima, não precisei comprar um porta-tempero.

  • DECORAÇÃO,  DIY

    DIY: Forro para almofada de tricô

     

    Minha avó Glaci criou, em tricô, esta capa de almofada lindona. Adoro essas caseirices que transformam uma casa em um lar, com aquele aconchego que só as tramas do feito à mão proporcionam ao nosso bem estar. E, além disso, eu também adoro me cercar desse referencial e dessa lembrança, pois apesar de estarmos resgatando o faça você mesmo hoje em dia e valorizando os trabalhos artesanais, essa almofada foi feita por uma mulher nascida e criada na roça, que fazia tudo – e tudo é tudo mesmo – de forma artesanal, como o próprio sabão, as próprias cobertas, além de plantar o próprio alimento,  bem como criar e preparar os animais para as refeições. Por isso e, mais uma vez, adoro me cercar desse referencial e de lembranças das pessoas da minha vida.

     

    E em se tratando de tricô, dependendo do ponto usado, a trama pode ficar bem aberta, com “furos” por toda a extensão, que foi o que apresentou a capa da almofada que a minha avó fez. Como o enchimento de almofada que eu tinha era aquele que vem pronto da loja em um quadrado de TNT branco, eu não queria que a cor clara ficasse visível sob a trama aberta do tricô. Então eu criei, à mão, um forro com tecido de tonalidade próxima à da lã. Este forro poderia muito bem ser a própria capa da almofada, dependendo do tecido, se estampado ou de uma cor que você goste. Por isso, o passo a passo a seguir pode te ajudar a criar capas de almofada também.

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  home office

    Organizando cabos no home office

     

    Às vezes, contrariando os nossos esforços, temos de nos render a algumas exceções no que se refere à organização da casa. Quem diria que eu, no eterno exercício de eliminar o que não uso em busca de uma casa mais organizada e com menos objetos, tive de selecionar um a mais para ficar na mesa do home office só para guardar cabos. Para mim, cabos não merecem aparecer no nosso campo de visão. Eles enfeiam o visual, contribuem para a desordem, se enroscam em outros objetos. Cabos: socorro! Só que por mais que eu pense que eles deveriam ficar escondidos na gaveta, dependendo do cabo, se bastante usado, ele necessariamente precisa ficar sobre a mesa. Como o da máquina fotográfica e o do celular. Toda hora é hora de usar os tais cabos.

  • DECORAÇÃO,  DIY

    DIY: Quadro decorativo feito com a técnica da colagem

     

    Alguém uma vez disse que a arte existe porque a vida não basta. E eu lembrei disso porque quando comecei a escrever sobre este faça você mesmo, me dei conta de que, na verdade, eu faço colagem desde criança e, curiosamente, sem nunca ter escutado sobre a técnica. Ou seja, eu senti a necessidade de me expressar artisticamente e encontrei um meio de fazer isso que foi o mesmo que outros seres humanos encontraram muito tempo antes, a que foi dado o nome de colagem. Interessante como as necessidades das pessoas, independente da idade ou da época, são as mesmas e os caminhos criados para supri-las também podem acabar sendo os mesmos. Eu adorava cobrir a capa dos cadernos e das agendas com colagem. Geralmente com recortes de revistas mas, às vezes, até, com retalhos de couro e jeans – a invenção da cola quente foi uma coisa de louco.

    Muitos são os temas que podemos pendurar nas paredes da nossa casa, seja pintura, fotografia, desenho etc. Aqui no blog eu já sugeri até a utilização de anúncios impressos – clique aqui para ver o post. E que tal, então, pendurar as nossas conquistas?

    Eu e o meu marido temos um carinho enorme pelo nosso apê porque ele está na nossa vida há muito tempo. Primeiro, nós alugávamos e, tempos depois, surgiu a oportunidade dele ser nosso. E essa é uma conquista e tanto pra gente não somente pela história mas, também, pelo processo, pois vamos conquistando tudo aos poucos, com muito suor, trabalho e dignidade.

    A ideia de fazer o quadro surgiu enquanto arrumava a papelada de casa. Quando segurei a cópia do desenho da planta pensei que deveria colocar num quadro. Mas para que não ficasse tão formal, poderia adicionar um toque divertido, colorido e sortido. Daí não tive dúvidas. A técnica da colagem era o caminho!