• DECORAÇÃO,  DIY

    DIY: Rack da TV suspenso e de pínus

    Este faça você mesmo é tão simples e facilitou tanto a vida em casa que já nem lembro mais como era viver sem esta solução: um rack que eu mesma fiz, gastando muito pouco e ocupando quase nada de espaço. Quem mora em apartamento pequeno, assim como eu, vai concordar que a última coisa que a gente quer é dar destaque e espaço para a parafernália toda que mora em um rack, incluindo a própria TV. Sem mencionar os incontáveis cabos, fios, um emaranhado de objetos esteticamente perturbadores.

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  jardim

    Recuperei minhas begônias murchas com a rega de emergência

    Senta que lá vem história. Uma história sobre mortos-vivos. Esqueça o cachorro, esqueça o gato, minha mãe tem uma Begônia Rex que é, sim, uma integrante da família. Tem mais de 35 anos. Ela teve uma filha, a begônia. Minha mãe disse para eu ficar com ela e, assim, as gerações de pessoas da família se entrelaçariam com as gerações da begônia.

    Só que é muita responsabilidade cuidar da Begônia Filha. Então comprei três begônias no supermercado – por que três? por que tanta ganância? porque elas eram lindas, uma vermelha, uma prata e uma malhada de verde e vinho – para treinar o trato com as begônias. E nas minhas pesquisas, todo cuidado era pouco para não molhar demais e apodrecer as raízes.

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  jardim

    Zamioculca de vaso novo e outras plantas

    A coitada da zamioculca estava no vaso de plástico original já deformado pelas raízes que queriam se expandir, como mostrei num post anterior. Pois agora ela foi replantada em um vaso maior e mais refrescante, de cerâmica. E na sequência, pude notar melhoras no seu desenvolvimento.

    A planta ainda estava com os galhos todos muito unidos e pendendo para um lado. Até achei que a atendente da floricultura tinha plantado ela meio torta. Mas foi só dar um tempo para que os galhos começassem, um a um, a buscar seu caminho. Sei que gosta de meia sombra e pouca água. Na embalagem que envolvia a planta na loja, a orientação era regar duas vezes na semana. Mas, ainda assim, coloco pouca água e longe dos galhos para que não apodreçam. Rego mais perto das bordas do vaso. Assim, as raízes da planta darão conta de captar essa umidade conforme a conveniência.

  • DECORAÇÃO,  Ideias mil

    Alguns achados das lojas de construção e decoração de Porto Alegre

    Estou procurando material para reorganizar o canto em que faço cerâmica em casa e por isso andei por algumas lojas de construção e decoração. Embora não tenha comprado nada, vi muitos itens e separei aqui o que achei interessante. Este canto do elefante é um daqueles espaços montados na loja com peças à venda. Esse, na Leroy. Eu gostei da textura de cimento, do quadro e das lâmpadas pendentes, mas usaria uma cortina de outra cor, talvez um azul petróleo ou um verde escuro, para não ficar muito “combinandinho”.

  • DECORAÇÃO,  Ideias mil

    4 objetos que não resistiram ao inverno úmido de Porto Alegre

    Tentei. Tentei de todas as formas espantar o mofo do meu escorredor de bambu, que ia muito bem obrigada durante o verão e o outono. Mas o inverno úmido que acomete a minha cidade não perdoa. Na verdade, ele não perdoa muita coisa. Armários, roupas, calçados, paredes, sistemas respiratórios.

    Antes de adquirir o escorredor de bambu, havia pesquisado bastante sobre o material e vi que muitas pessoas relatavam que ele poderia apresentar umas manchas brancas com o passar do tempo, o que pra mim não era problema. Eu gostava do material e do visual dele, além do fato de ser dobrável, reduzindo o espaço ocupado na minha cozinha.

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  home office,  jardim

    Meus cactos brotaram!

     

    Eu sei que tem que molhar de vez em nunca, que adoram tomar sol, mas os cactos e as suculentas não vingam por muito tempo na minha casa. Trato a pão de ló e nada. Tenho a sensação de que eles todos eram mais felizes onde estavam: no ar condicionado e luz artificial do supermercado, ou sob a poluição sonora opressora da avenida em frente à casa dos meus avós na praia. Então resolvi fazer o caminho inverso. Em vez de tirá-los de seus lugares, resgatei das ruas e trouxe para o aconchego do lar.

    E deu super certo.

  • banheiro / lavabo,  DECORAÇÃO,  Reformar

    Reforma do banheiro: o que é melhor, cortina ou box de vidro?

    Não precisou de muito tempo de uso do meu banheiro reformado, em que instalei um box de vidro, para perceber que a cortina é a melhor opção.

    Sou eu quem limpa a minha casa e vou dizer a vocês: a limpeza do vidro dura somente até o próximo banho. Os componentes da água, o shampoo, os cremes, o sabão, a gordura corporal, ficam grudados no vidro. E o acúmulo disso tudo, banho após banho, vira um pesadelo na hora de limpar.

    Mas calma lá que ainda tem mais história antes dessa percepção ter acontecido.

    Como o box de vidro é uma ideia já socada pelo mercado na cabeça de quem reforma, como se ele fosse o upgrade da cortina, e como se esta fosse coisa do passado, não nos restava dúvidas de que instalaríamos um box de vidro. Eu queria um com efeito jateado para ter um pouco de privacidade – durante aquele banho de cachorro em que a gente dá uma leve chorada e não quer ficar dando satisfação a ninguém ou durante o momento dos cuidados femininos – além de ajudar a esconder a sujeira do “box por limpar”. Mas meu marido queria enxergar o banheiro como um todo. Dizia “eu tô reformando o banheiro então quero ver o banheiro bonito por inteiro depois”. Como já tinha decidido sobre muitas coisas, decidi que desta vez ele iria decidir. Box de vidro transparente, então.

  • DECORAÇÃO,  Por aí,  São Paulo

    Onde comprar fio de fada e bijus inusitadas na 25 de Março em São Paulo

    É de utilidade pública saber onde conseguimos fio de fada para criar iluminações mil na nossa casa. Eu fiz meu rack da sala com um e queria mais outro para criar uma luminária. E como foi difícil encontrar na 25 de Março, a rua onde se você não encontra é porque não existe, achei melhor compartilhar onde foi que consegui e por um preço até interessante perto do que já paguei. E, de quebra, vou indicar onde encontrei bijus diferentes, como aqueles pares de brincos que vem com uma peça diferente da outra. Adoro.

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  jardim

    Abacateiro de apartamento

     

    Eu não faço de caso pensado. É totalmente instintivo terminar de comer o abacate e fazer brotar sua “sementinha”. Além disso, já parou pra pensar, enquanto pesa a fruta na balança do supermercado, que irá pagar bons dinheiros por algo que nem vai consumir? Mas longe de mim fazer da perda de alguns centavos de reais o foco deste texto. Sempre me indignei com tamanha semente ser descartada. Ela é tão volumosa que nem conseguimos chamar de semente. Caroço.

    Pobre semente.

    Então, decidi dar continuidade ao trabalho da natureza. Com quatro palitos de dente cravados nas quatro direções, equilibrei a semente sobre um vaso, preenchendo com água até que esta encostasse. Dali pra frente foi só assistir ao show da vida. Raízes se criaram e pequeninas folhas brotaram.

    Foi, foi que o projeto de abacateiro começou a espichar e ficar cada vez mais alto. A ponto de eu ter que deslocar o móvel da posição original para que o bebê não batesse nas prateleiras acima dele. Sabe como é, família em primeiro lugar. Depois, o layout da casa.

  • DECORAÇÃO

    Como eu parei de acumular

     

    Estes pacotes na foto, com dezenas de saquinhos para presente, você encontra em casas de papelaria especializadas. E na minha.

    Faz alguns posts que compartilho no blog a odisséia para descartar itens e partir de uma vida acumuladora para uma melhor, na tentativa de abrir espaço para o que está por vir, além de viver com, como é mesmo… qualidade de vida. E com o tempo, fui percebendo onde estava errando, amadureci e aperfeiçoei o olhar para o que deve ficar e o que deve ir embora. Agora vou dividir com vocês o processo que desenvolvi, mas de uma maneira natural, até, conforme as situações foram acontecendo. Dividi em três etapas, a Autoanálise, a Mudança Mental e o Processo. E, ao final, ainda compartilho o que ficou dos ensinamentos da Marie Kondo. Espero que eu consiga te ajudar contando a minha experiência, que é muito mais sobre questões internas do que aquelas dicas do tipo “posicione os itens assim” ou “dobre assado”. Parece até meio piegas mas, acredite, a mudança é interna.

     

    1. A AUTOANÁLISE

    É coisa da minha cabeçaCom certeza, o ato de guardar algo é consequência de alguma necessidade. Às vezes ela é bem clara e definida – e válida – e, às vezes, não. Pode haver componentes psicológicos nebulosos no subconsciente envolvidos no processo de acumular itens. Boa parte do que acumulei foi durante a minha adolescência e faculdade. Períodos em que buscava descobrir quem eu era e o que eu queria fazer. Fases bastante confusas e conflituosas. Embora desde criança eu já guardava muitas coisas. Esse é um dos aspectos que consigo enxergar, aquele que está na superfície. Deve haver muito mais nas camadas profundas.