• Crônicas

    No céu, somos todos robôs

     

    Aquela hora do voo em que todas as pessoas abrem os salgadinhos e doces ao mesmo tempo, e mordem ao mesmo tempo, e mastigam ao mesmo tempo, e engolem ao mesmo tempo, e criam massas estomacais ao mesmo tempo e, acho que vocês já sabem o caminho aonde eu quero chegar. Não, não é esse não. A hora do lanchinho em voos curtos é bizarra. Todo mundo dançando uma coreografia. Um cheiro quase que mecanicamente asfixiante de biscoito Bauducco sequestra o ar – cheiro de qualquer coisa em quantidade aos montes, em lugar fechado, a onze mil metros de altitude, enjoa. Ainda bem que é só abrir um pouco a janela para ventilar.

    Eu sempre pego a opção dos biscoitinhos de polvilho. E uma água. Mas não como. O salgado é para depois, em terra firme, porque nunca estou com fome na hora em que a tripulação diz que eu tenho de estar com fome. E a água, bem, eu também só tomo quando estou com sede. E na verdade não tomo nem quando estou com sede, porque faço qualquer negócio para não usar o banheiro do avião. No máximo, tomo pequenos goles para hidratar os lábios e a boca. Gosto de posicionar o copo sobre a mesinha e observar o quão alinhado o avião está. Se ele não estiver, eu simplesmente guardo o copo porque não sou obrigada a ficar sabendo, ok?

    Uns vão dizer que eles têm que recolher o lixo todo de uma vez. Outros, que se cada um pedisse o lanche na hora que quisesse viraria uma baderna. E com razão. Mas a questão do lixo é que, se eu fosse diabética e precisasse de uma dose de glicose eu teria de abrir uma embalagem no instante que fosse. E vocês acham que eu a largaria no chão?

  • DECORAÇÃO,  Decorar,  home office

    Organizando cabos no home office

     

    Às vezes, contrariando os nossos esforços, temos de nos render a algumas exceções no que se refere à organização da casa. Quem diria que eu, no eterno exercício de eliminar o que não uso em busca de uma casa mais organizada e com menos objetos, tive de selecionar um a mais para ficar na mesa do home office só para guardar cabos. Para mim, cabos não merecem aparecer no nosso campo de visão. Eles enfeiam o visual, contribuem para a desordem, se enroscam em outros objetos. Cabos: socorro! Só que por mais que eu pense que eles deveriam ficar escondidos na gaveta, dependendo do cabo, se bastante usado, ele necessariamente precisa ficar sobre a mesa. Como o da máquina fotográfica e o do celular. Toda hora é hora de usar os tais cabos.

  • Morro Reuter,  Por aí,  Rio Grande do Sul,  Serra Gaúcha

    16 motivos para você conhecer Morro Reuter | RS

     

    Eu já comentei algumas vezes que adoro sair sem rumo pela serra gaúcha, entrar em cidades em que eu nunca fui e conferir o que elas reservam. Foi assim com Morro Reuter e, desde então, é uma das cidades da serra gaúcha pelas quais eu tenho o maior carinho. Embora uma cidade relativamente pequena, ela foi se revelando aos poucos. A cada visita eu descobria um lugar, uma celebração e até melhorias na cidade. Porque se tem algo que admiro em Morro Reuter é o senso de comunidade que existe nos seus habitantes, preocupados com espaços limpos, agradáveis e bonitos. Morro Reuter é bonita. Então, esta é a minha seleção de 16 motivos (e contando) para você passear por ela também.

     

    1. L A V A N D A

    Alguns produtores experimentaram plantar a lavanda e ela respondeu muito bem ao clima e ao solo, se tornando uma alternativa de cultivo. Logo, a cor lilás tomou conta da cidade. Em todo o canto, desde o pórtico até as calçadas, há um canteiro de lavandas. Em 2017 eu conversei com o pessoal do turismo que contou que o campo de lavanda que muitas pessoas procuravam, na verdade, era uma plantação privada, que lá pelas tantas tinha de ser colhida. Então, como as pessoas manifestaram interesse, o município iria providenciar uma plantação exclusiva para visitação, que talvez ficasse disponível em 2018. Mas não fiquei sabendo de nada durante o ano passado. Estou no aguardo. Por enquanto, os visitantes podem admirar a lavanda no pequeno terreno que fica logo atrás do pórtico, à direita, quando entramos na cidade. Quando florido, rende boas fotos.

    Não há como não visualizar a entrada da cidade na BR 116. O pórtico é pintado com a cor luminosa da flor.

  • Crônicas,  Vida e Carreira

    Por que ainda jogamos lixo no chão?

     

    Eu fiquei paralisada ao ver as imagens da Orla do Guaíba, em Porto Alegre, na manhã seguinte à festa de fim de ano. Vocês também viram? O que era aquilo? E o tanto de garrafas quebradas e cacos de vidro espalhados? Adeus canga-sobre-gramado para contemplar o pôr do sol.

    Como aqui no blog eu vou além da decoração e escrevo, também, sobre o morar, eu me senti na obrigação de abordar isso – e na vontade de desabafar. Porque ver pessoas jogando lixo no chão está no topo da lista das situações revoltantes.

    Olha, vou dizer pra vocês, eu nunca joguei lixo no chão. E dar cabo do lixo que eu gero não é nenhum fim de mundo pra mim. Se eu abro uma bala, coloco o papel na minha bolsa, ou no bolso da calça. Quando chego em casa, coloco no lixo. É simples e é automático. Não é um sofrimento ficar com a embalagem. E isso é educação. Se você joga lixo no chão, sinto muito, mas, você não tem educação. Se o seu filho joga lixo no chão, você não o educou. Não há como colocar a culpa em mais ninguém.

    Ah, a questão é o lixo de volume maior e não um simples papel de bala? Então aqui vai mais um pouco de educação: eu cresci vendo a minha família levar sacolas plásticas para a praia para que a gente pudesse colocar as embalagens e os palitos de picolé, as garrafas, os copos plásticos, as latinhas, as espigas de milho, todo o resíduo gerado a partir do que viéssemos a consumir. Então, ser responsável pelo lixo que produzi nunca foi uma situação sem saída pra mim a ponto de ter que jogar o lixo no chão. É uma situação de educação, pois cresci vendo exemplos, e, também, de responsabilidade. Você é responsável pelo lixo que você resolveu, por algum motivo, gerar.

    Sem contar o fato de que eu não quero ver um espaço sujo e feio. Vou apelar para as tão multiplicadas fotos nas redes sociais. Você já se deparou numa situação em que estava viajando e quis fotografar um lugar lindo e tudo o que você acabou vendo na foto era lixo espalhado pelo espaço? Nunca tirou uma foto na beira da praia que você acreditou ter ficado perfeita e, quando foi ver, tinha uma garrafa pet sobre a areia que acabou deixando a sua foto um lixo?

  • DECORAÇÃO,  DIY

    DIY: Quadro decorativo feito com a técnica da colagem

     

    Alguém uma vez disse que a arte existe porque a vida não basta. E eu lembrei disso porque quando comecei a escrever sobre este faça você mesmo, me dei conta de que, na verdade, eu faço colagem desde criança e, curiosamente, sem nunca ter escutado sobre a técnica. Ou seja, eu senti a necessidade de me expressar artisticamente e encontrei um meio de fazer isso que foi o mesmo que outros seres humanos encontraram muito tempo antes, a que foi dado o nome de colagem. Interessante como as necessidades das pessoas, independente da idade ou da época, são as mesmas e os caminhos criados para supri-las também podem acabar sendo os mesmos. Eu adorava cobrir a capa dos cadernos e das agendas com colagem. Geralmente com recortes de revistas mas, às vezes, até, com retalhos de couro e jeans – a invenção da cola quente foi uma coisa de louco.

    Muitos são os temas que podemos pendurar nas paredes da nossa casa, seja pintura, fotografia, desenho etc. Aqui no blog eu já sugeri até a utilização de anúncios impressos – clique aqui para ver o post. E que tal, então, pendurar as nossas conquistas?

    Eu e o meu marido temos um carinho enorme pelo nosso apê porque ele está na nossa vida há muito tempo. Primeiro, nós alugávamos e, tempos depois, surgiu a oportunidade dele ser nosso. E essa é uma conquista e tanto pra gente não somente pela história mas, também, pelo processo, pois vamos conquistando tudo aos poucos, com muito suor, trabalho e dignidade.

    A ideia de fazer o quadro surgiu enquanto arrumava a papelada de casa. Quando segurei a cópia do desenho da planta pensei que deveria colocar num quadro. Mas para que não ficasse tão formal, poderia adicionar um toque divertido, colorido e sortido. Daí não tive dúvidas. A técnica da colagem era o caminho!

  • Curitiba,  Paraná,  Por aí,  Santa Catarina

    Roteiro de 4 dias em Curitiba | Café da manhã na Prestinaria

    Depois de quatro maravilhosos dias conhecendo Curitiba, antes de ir embora, na manhã de uma segunda-feira, eu não poderia deixar de tomar um café da manhã “bem tomado”. Escolhi a Prestinaria – A Casa dos Pães depois de algumas pesquisas. Ela tem muitas opções de itens de padaria, confeitaria, serve almoço, brunch, café colonial e ainda tem um espaço com uma decoração muito aconchegante e do jeito que eu gosto, combinando o industrial com o aconchego da madeira.

     

    Ali, o mesão de madeira que serve o café colonial e o brunch. É sempre bom conferir antes quando e que horas acontece.

  • Curitiba,  Paraná,  Por aí,  Santa Catarina

    Roteiro de 4 dias em Curitiba | Dia 4

    Domingo. Aquele dia em que ou você embala na deprê que ele, por natureza, carrega, ou levanta, sacode a poeira e vive intensamente. Claro que para quem está de visita, é mais um dia para conhecer a cidade. Mas, mesmo assim, o domingo pede aquele tipo de programa em que você acaba se misturando aos moradores, aos locais. Feiras, parques, atividades ao ar livre, alimentação mais desligada de qualquer dieta ou mesmo de uma mesa reservada. E, de certa forma, consegui fazer da capital do Paraná um pouco a minha casa, já que os programas escolhidos foram praticamente os mesmos que eu faria em Porto Alegre. Adoro estabelecer esta conexão de rotina quando eu viajo. Chimarrão no parque, no domingo, é sagrado. O quarto dia em Curitiba foi só prazeres.

     

    D I A  4  |  D O M I N G O

    Dia de feira no Largo da Ordem, de pastel e caldo de cana, do gigante Parque Barigui e de um hot dog mais que especial.

     

    1. Feira do Largo da Ordem

    Eu já fui para Curitiba sabendo da Feira do Largo da Ordem e ela estava mais do que certa como destino na manhã de domingo. O que eu não sabia era que ela é tão extensa e tão cativante, que desistimos de almoçar na promoção do Festival Bom Gourmet para ficar por ali mesmo, no meio do povo, comendo um pastel delicioso para continuar curtindo um pouco mais da feira no comecinho da tarde. Roda de capoeira – que se eu pudesse, ficaria horas assistindo, adoro – teatro de rua e muitas, mas muitas barraquinhas com artesanato de qualidade. A gente encontra de tudo na feira. De bebês de mentira que parecem reais até cortadores de inox de todas as formas, feitos por um japonês muito simpático e que eu trouxe para fazer cerâmica. Os bares e restaurantes do caminho da feira também ficam abertos e servem o prato típico da região, o Barreado.

  • Crônicas

    Eu não tenho micro-ondas por opção | Descascando o abacaxi da organização

     

    Esta foto eu fiz em um dos momentos de modificação da minha cozinha. Esta estante, que antes era dos livros, se tornou o balcão auxiliar no preparo das refeições. Eu tinha um abacaxi e ele foi a primeira coisa que coloquei em cima. Achei interessante a limpeza visual da composição e resolvi clicar. Daí comecei a pensar que, quando organizamos a nossa casa, realmente precisamos descascar um abacaxi. Precisamos, por exemplo, reconhecer ou, até mais apropriado, dar o braço a torcer que nem tudo que todo mundo tem ou faz é pra gente. Precisamos reconhecer que não vamos nos encaixar direitinho na maneira que nos disseram que é legal de se viver.

    A questão toda não é sobre viver com menos. Acho que em termos de organização da casa e, por que não, da vida ou, por que não, ainda, mental, a gente precisa é viver com o que nos serve mesmo.

    A geração dos meus pais acho que foi a última que vivenciou a exigência dos casais terem aqueles montes de equipamentos para a cozinha, como batedeira, balança, sopeira, processador (e como eles usavam aquele processador para moer carne!), se bem que hoje temos os juicer, as fritadeiras a ar, os mixer, as panelas e chaleiras elétricas, nossa, até mais traquitanas que antes, mas também temos a consciência de que não precisamos de tudo. Pois a configuração da casa também sofria com as exigências da sociedade. O imóvel precisava ter uma sala de visitas, que não acomodava a TV, aparelho que ficava numa segunda sala, a de estar, com os brinquedos das crianças, os livros, a bagunça do dia a dia. Comer na cozinha, então, isso não existia. O que existia era a sala de jantar. Nada de comer no meio da baderna resultante do preparo da refeição. Hoje, os imóveis que apresentam essas configurações recebem reformas que exterminam as paredes e integram tudo. Quem cozinha quer ficar junto e, se possível, que as pessoas apreciem o show do chef. Tudo mudou.

    Só que a gente sai de algumas ditaduras para entrar em outras. E isso acontece em muitos aspectos da vida (como, por exemplo, a ditadura do cabelo crespo. Quem tem, não pode mais optar por alisar sem ser grosseiramente criticado, mesmo que alisar seja um desejo mega consciente). E no que se refere ao morar, a gente saiu da ditadura da casa comercial de margarina para a casa container, ou o guarda-roupa cápsula, ou as regras para se viver a vida com 33 itens, e por aí vai a condução da vida com quase nada.

    Eu mesma já falei algumas vezes aqui no blog sobre o meu desejo e as minhas ações para viver com menos, uma vez que acumulo muita coisa na minha casa. Já acordei para o fato de que

  • Beleza,  Vida e Carreira

    Spray caseiro com soro fisiológico para modelar os fios

     

    Eu tenho um produto de estimação para aplicar nos cabelos depois de lavá-los, ou até mesmo quando secos, para modelar e deixar os fios comportados, tipo um finalizador – e acredito que muitas pessoas também tenham esse produtinho de estimação que dá o maior help com a juba. E ainda tem um cheiro que eu amo. Só que ele é tão espesso, tão concentrado que, por vezes, deixa o cabelo pesado. Então, eu quero compartilhar com vocês o que eu fiz para deixar esse hidratante modelador de cabelo menos concentrado, mais leve e mais fluido: diluindo em soro fisiológico e utilizando em spray.

    Veja bem, esse procedimento simples proporciona:

    • economia de produto
    • fios com mais movimento
    • cabelo não oleoso por mais tempo
    • fios menos pesados
    • melhor distribuição do produto
    • facilidade de aplicação

    Mas por que no soro fisiológico? Porque ele oferece muitos benefícios ao cabelo. Deixa macio, brilhoso, hidratado, entre outros. Faça uma pesquisa e você encontrará vários dermatologistas e especialistas confirmando a boa fama do sorinho.

  • Curitiba,  Paraná,  Por aí

    Roteiro de 4 dias em Curitiba | Dia 3

    Se eu não puder caminhar livremente pelas ruas, então eu nem vou. Eu pre-ci-so planejar no meu roteiro um dia, ou nem que seja uma parte dele, para caminhar pelas ruas mais icônicas da cidade que estou visitando, pelas suas construções históricas, pela sua arte de rua. Me deslocar a pé para sentir a cidade e seus moradores tem muito valor para mim. Saber o que as pessoas estão falando, o que está acontecendo na cidade. Embora, infelizmente, alguns pontos estivessem fechados para reforma, como o Bondinho da Leitura na Rua XV de Novembro, o Museu de Arte Contemporânea do Paraná e o Palácio Belvedere na Praça João Cândido, o Centro de Curitiba ainda tinha muito a oferecer. Prepara que o post tem comprimento de avenida.

     

    D I A  3 | S Á B A D O

    Dia de caminhar entre a história e as belezas do Centro, de show de comédia stand up e de provar o prato que é a iguaria da região, a famosa Carne de Onça.

     

    1. Galeria a céu aberto

    Eu definitivamente não viajo para entrar em lojas e ficar em shopping. Eu preciso andar pelas ruas olhando para cima observando a arquitetura e ser surpreendida por um beijo desses. Grandes painéis de azulejos ilustrados, ruínas, prédios de arquitetura histórica e muita arte de rua compõem o bloco sólido de cores e formas que enchem os olhos de quem valoriza andar pelas ruas do centro de Curitiba. Quero muito fazer uma postagem especial com as preciosidades do centro.