DECORAÇÃO,  Reformar

Escolhendo a cor do rejunte

O rejunte é o responsável por impermeabilizar a área em que ele é aplicado. O porcelanato e o azulejo fazem escorrer a água e é o rejunte de boa qualidade e bem colocado que deve evitar que a água se infiltre entre as placas. Só que uma vez que inventaram o rejunte pigmentado, ou seja, colorido, temos mais decisões a tomar.

Parece uma bobice que você tenha de se preocupar com isso – claro, se você curte escolher os materiais e participar ativamente do processo. Mas acredite, ele faz toda a diferença no quesito qualidade e no quesito cor também. Afinal, vamos olhar pra ele tipo, por quase o resto das nossas vidas. Visualmente falando, ele pode colocar tudo a perder se não der match com o material que você escolheu para revestir piso e paredes.

Em termos de cores, eu vejo 3 aspectos que podem influenciar na escolha: luminosidade, efeito visual e manutenção.

 

L U M I N O S I D A D E

Observem comigo este antes e depois do meu banheiro, durante o processo de reforma.

 

 

À esquerda, as placas de porcelanato estavam assentando e o rejunte ainda não tinha sido colocado. Na direita, o rejunte já aplicado. Notem como o ambiente clareou bastante apenas com a aplicação do rejunte. Então podemos concluir que o espaço ficaria mais escuro com um rejunte escuro. Ou seja, pessoal, precisamos avaliar se o espaço necessita de mais luminosidade ou não para, então, escolher a coloração do material.

 

E F E I T O  V I S U A L

Separação | Quando se aplica um rejunte de cor contrastante com a da placa (por exemplo: azulejo preto e rejunte claro, ou o contrário), o que acontece é a separação dessas peças. Passamos a enxergar cada placa como uma unidade separada das placas vizinhas. É o que dá aquele efeito tijolinho no caso de peças menores como os azulejos.

 

Notem que no piso escuro da primeira foto o rejunte claro foi fundamental para valorizar o formato de colmeia das placas. Fotos: Pinterest.

E ainda na questão do efeito visual, um fator que influencia, e muito, é o espaçamento entre as peças que você escolheu. Cada tipo de revestimento pede um mínimo de milímetros, ou centímetros, entre cada placa. Se o seu porcelanato pede um espaçamento de 1 cm, por exemplo, pense se você quer ver uma largura dessas de rejunte chamativo cortando visualmente o seu espaço. Na verdade, isso deve influenciar, inclusive, a escolha do revestimento. No meu caso, eu procurei por porcelanato e azulejo que necessitasse de um espaçamento muito pequeno, para que eu quase não percebesse a existência do rejunte.

 

União | Quando se aplica um rejunte da mesma cor ou de tonalidade próxima a da placa, o resultado é uma unidade na área. Cada placa parece estar continuando a outra. Você enxerga apenas o efeito das peças, seus relevos e cores, e o rejunte fica sutilmente escondido entre elas.

 

Fotos: Portobello

Considero esse efeito quase que obrigatório nos pisos tão em voga hoje que são os porcelanatos que imitam tábuas de madeira. Ninguém quer que pareça um porcelanato. Então, um rejunte do mesmo tom da “madeira” vai grudar uma placa na outra e fazer parecer que se trata de um piso de réguas compridas do material natural. Da mesma forma com a escolha de um porcelanato que imita um mosaico de pedras. Se você quer que o seu chão pareça feito de pedras mesmo, o rejunte deve sumir. Caso contrário, vai dar pra notar os quadradões do porcelanato e o efeito ficará falso mesmo.

O efeito de união das placas foi o que eu busquei no meu banheiro. Eu não queria enxergar as peças de azulejo e porcelanato individualmente.

 

Na imagem 1, os azulejos sendo colocados (fica escuro entre as placas). Na 2, o rejunte já aplicado (deu uma clareada no espaço). Na 3, a reforma terminada e os azulejos limpos (podemos notar que o rejunte some entre as peças).

 

M A N U T E N Ç Ã O

As manchas, o encardido, a sujeira ficam muito mais visíveis no rejunte branco do que em qualquer outro. Embora o porcelanato maior do meu banheiro tenha fundo claro, quase branco, eu não escolhi o rejunte branco justamente pela dificuldade de manutenção. Na imagem seguinte tem parte de um mostruário de rejuntes (da Quartzolit) em que podemos ver a diferença entre o branco, que eu destaquei com a seta, e as outras opções mais “sujas” digamos assim. Na foto, eu tinha destacado 3 tonalidades para pensar melhor e poder escolher e, por fim, optei pelo cinza ártico para fazer dupla com os azulejos verdes (foto superior da direita), e pelo cinza platina para unir as peças do porcelanato que imita mármore (foto inferior).

 

 

D I C A S  E X T R A S

Fale com o pedreiro antes | Uma das dificuldades que enfrento é dizer para as pessoas quanto eu investi nessa reforma, porque comprei os materiais em 2015, ou seja, não lembro de muita coisa, além de haver uma defasagem natural dos valores, mas também em função de um outro fator: eu tive de “recomprar” alguns materiais que meu pedreiro considerou de má qualidade. O rejunte foi um deles. Tinha comprado um que o vendedor da loja orientou, semipronto, que vem em baldinhos com alças. Meu pedreiro rejeitou, contando várias histórias de fracasso com esse tipo de rejunte. Então, deixo aqui esta dica preciosa: sempre fale com o pedreiro antes de sair comprando. Veja com ele qual a melhor opção para a sua reforma. O meu, mesmo se tratando de banheiro, solicitou um rejunte para área externa, em pó (normal), da Quartzolit. Ainda vou fazer um post só com dicas de o que não fazer em uma reforma. Mas, por enquanto, esta é a principal: não compre antes de falar com o seu pedreiro.

Mostruário | Lembre que o mostruário é um material em que todo mundo mete a mão, ou seja, as cores estarão alteradas, mais escuras, mais sujas, literalmente. Tente enxergar para além das imperfeições.

Limpeza | Perguntei ao pedreiro como eu deveria limpar os rejuntes sem que eles se deteriorassem ou encardissem com o passar do tempo. A resposta foi simples: detergente neutro, aquele que usamos para lavar a louça. Apenas. Nada de produtos com química fortíssima e abrasivos. O detergente neutro mantém o rejunte na sua cor original e sem corroer o material, o que leva a infiltrações. E o pano que formos usar para passar no chão deve estar limpíssimo, branquíssimo. Não pode ser aquele pano com que acabamos de limpar a casa toda. A sujeira do pano vai manchar o rejunte e encardir o material com o passar do tempo (e dos panos). E se o rejunte for branco, então… socorro. Bom, faz tempo que meu banheiro ficou pronto e essas dicas têm funcionado muito bem.

 

Espero que este post possa ajudar nas suas escolhas. Lembre de conversar com o profissional que fará a sua reforma antes de fazer a compra dos materiais e de levar em conta a iluminação existente no seu espaço, se é preciso corrigir ou não, o efeito visual que você deseja obter e a manutenção que vai necessitar.

 

Clicando aqui você pode conferir o primeiro post sobre a reforma do meu banheiro.

 

Em breve, farei mais postagens sobre reforma.

 

Fotos do meu banheiro, do mostruário e texto: Juciéli Botton para Casa Baunilha

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *