Por aí,  São Paulo

Onde eu comi em São Paulo e fui muito, muito feliz

Eu tenho um novo lema quando o assunto é escolher lugares para comer fora de casa que é “eu preciso me dar ao respeito”. Em breve, publicarei um texto falando mais especificamente sobre isso. Mas, resumindo, me recuso a pagar caro por comidas em que não vejo valor, apenas fotos bonitas no perfil do Instagram e ambiente de decoração descolada. Nesta vez em que estive em São Paulo, pesquisei tanto previamente, me dediquei tanto a encontrar lugares legais para comer, com preços honestos, para contemplar esse meu novo “mantra”, que não deu outra: fui muito feliz nas escolhas. Não teve um lugar de que não gostei. E os preços, em geral, bastante convidativos.

Uma questão importante: eu praticamente nunca peço bebida porque tenho o costume de não tomar nada durante a refeição. É um hábito que tenho na minha casa e que naturalmente pratico na rua também. Pedi bebida em apenas três ocasiões, sendo que em uma fui meio que obrigada porque precisava tomar uma cápsula de vitamina durante a refeição. Em função disso, a conta acaba sendo sempre magrinha. Comprei um galão de água para deixar no apartamento e reabastecia a minha garrafinha menor sempre que fosse sair. Duas boas alternativas para economizar em São Paulo – e na vida: não sair comprando água por aí e não beber durante a refeição.

Outra questão importante: não esqueça de conferir se aceitam cartão e, também, os endereços dos estabelecimentos. Indiquei apenas os bairros porque sabe como são essas coisas, às vezes mudam de lugar como uma troca de roupa.

 

La Guapa

As empanadas são pequenas, sim, mas deliciosas. Experimentei os sabores pucacapa, de cebola caramelizada, e salteña, de carne. O molhinho de ervas que estava sobre a mesa combina perfeitamente. O sorvete de doce de leite fecha com chave de ouro maciço. Paola sabe o que faz. Há opções de combos com várias unidades, ou incluindo café e até salada. Tudo deu R$26. Cardápio e preços, aqui. Fui no endereço de Pinheiros em um sábado, pouco depois do horário de almoço, e estava tranquilo.

 

 

Feira da Liberdade

Sinto que não preciso convencer ninguém sobre o sabor maravilhoso da comida de feira. A expressão comida de feira fala por si só. O tempura em forma de disco (R$8) é uma delícia, assim como o takoyaki (R$15), bolinhos fofinhos e cremosos, com recheio de camarão ou polvo. E há tantas outras opções ao longo da feira: yakissoba, espetinhos, guioza e por aí vai. Para beber, caldo de cana com abacaxi foi a minha escolha. Aos sábados e domingos. Na Praça da Liberdade. Cheguei cedo no domingo, por volta das 9h, e aproveitei o pouco movimento para já começar a provar as delícias. Depois, filas e mais filas.

 

Brigadeiro Doceria & Café

Fui até o local para desbravar o bolo de cenoura com brigadeiro. Mas, chegando lá, vi uma calda escorrendo do bolo de milho e, louca por doces úmidos, não tive como recusar (R$9). E como se não bastasse, experimentei, também, a torta brownie (R$10,80). Ambas excepcionais. No bairro Pinheiros. Fui num domingo à tardinha e estava tranquilo.

 

Aska

Nada escrito na fachada. Talvez uma tentativa – frustrada – de se desviar da grande procura. Provavelmente passaríamos sem nem notar que ali há o primeiro restaurante de lámen de São Paulo, de clima agradável e decoração tipicamente oriental, com a cozinha aberta para os olhares curiosos dos fregueses e com pratos saborosos por demais. Fique atento às regras da casa expostas em um quadrinho próximo à porta. A fila é grande e a boa educação e o bom senso tornam a fluidez possível. Não tenho a menor ideia de como se chama o que pedi, mas estava delicioso. Vá com fome. Vem muito, e por apenas R$20. Pedi, também, o guioza, que vem em 6 unidades, por R$13 (aparecem na foto de capa do post). Maravilhosos. Sentar-se ao balcão e vê-los preparar é parte da experiência. Estar no Aska é como ser transportado para o outro lado do mundo. Não aceita cartão. Na Liberdade. No domingo, esperamos em torno de 50 minutos pela mesa. Eu passei o meu tempo fotografando nas ruas. Encontre o seu passatempo.

 

 

Frida & Mina

Não temos de morango, senhor respondeu a atendente a uma pessoa na fila. Como podemos ver ali na foto, tem sorvete de cerveja com chocolate. Ou seja, uma casa de sabores peculiares. Recomendo fortemente o de doce de abóbora. O de crocante de macadâmia e o de cidreira também são uma delícia. Uma bola sai por R$12. Em Pinheiros. No domingo à noite havia uma pequena fila e o atendimento foi rápido.

 

Estadão Bar e Lanches

Da série sensacional e barato. Quando viajo, sempre pesquiso por lugares para comer que são tradicionais, que recebem a todos e fazem comidas maravilhosas a um preço honesto. O Estadão é assim, desde 1969, abrindo todos os dias, 24 horas por dia. No site eles ainda ensinam como fazer alguns pratos do cardápio. Experimentei o famoso sanduíche de pernil, feito com tomate, cebola e pimentão em pão francês. Suculento. R$17. No forno, eles conseguem assar oito peças de pernil em três horas. Num dia de semana tranquilo, são assadas 35 peças. O atendimento é nota 10, muito simpáticos e atenciosos. O ambiente é de lanchonete tradicional, mesmo, com todos os assentos fixos no chão e de frente para balcões. Ficou no meu coração. No Centro Histórico. Fui numa segunda-feira para almoçar e estava tranquilo.

Já pensou almoçar maravilhosamente bem por dezessete reais? Para receitas e galeria de fotos com famosos, clique aqui.

 

Cantina Mamma Celeste

Tudo que eu queria, depois de um dia intenso em Porto Alegre, passando por um voo para São Paulo e por uma roda de samba de rua, era me sentar confortavelmente em uma cantina italiana aconchegante, de ambiente simples, mangiare, mangiare, mangiare, escorar a cabeça na mão e ninguém me julgar. A Cantina Mamma Celeste me abraçou. Estávamos em duas e dividimos uma porção de massa para 1 pessoa e um filé à parmegiana, também para 1 pessoa. Comida incrível. Saímos satisfeitas e felizes. Dividindo a conta em dois, deu R$40 para cada. Não pedimos bebida. No Bela Vista. Numa sexta-feira à noite estava tranquilo. Na rua perpendicular, a Treze de Maio, há a rotisserie do restaurante, com massas e molhos para prepararmos em casa.

O que não pode faltar em uma cantina italiana são as fotos de família.

 

Villa Grano

Nos arredores do Beco do Batman há muitos lugares incríveis para se comer e beber bem. Mas encontrei uma mina de ouro, ou melhor, de pastéis de nata, na padaria e confeitaria que também serve refeições, Villa Grano. Eles saem quentinhos e a massa não é aquela seca que nos dá um banho de pedaços folheados quando mordemos. Eu, pelo menos, não gosto. Esta era diferente e o recheio conferia certa umidade a ela. Amo doces portugueses e não costumo comer pastel de nata por causa da massa. Mas este entrou para o hall dos melhores. R$5. Os preços da padaria, em geral, são salgados, mas acho que vale a pena experimentar o doce. Fui numa segunda-feira, pela manhã, e estava tranquilo.

 

Casa do Porco Bar

Se achar o restaurante caro ou que a fila de espera irá roubar algumas horas do seu precioso tempo, vá para a janelinha ao lado, onde vendem drinks, sanduíches e também esta coisa da foto, o misto-quente. Com presunto feito na casa, queijo pardinho e pão também feito no local. R$17. No Centro Histórico. Foi o café da tarde numa segunda-feira e tinha pouco movimento.

 

Buona Fatia

Mais um lugar onde tudo é incrível: o ambiente, o atendimento, o clima, a comida. A fatia de pizza é grande e individual. Experimentei a de alcachofra que vem com dois pestos, o de tomate seco e o tradicional (há um outro sabor com alcachofra no cardápio). Sensacional. Esperamos mais ou menos uns quarenta minutos pela mesa, mas foi super agradável esperar conversando na calçada enquanto tomávamos vinho. A conta deu R$73, com duas fatias, 1 taça de vinho e 1 água. No bairro Bela Vista. Fui jantar no domingo e estava bem mais tranquilo do que na sexta-feira, dia do Samba da Treze.

 

Paulista Burger & Bar

Como eu fiquei realizada, senhor! Finalmente um lugar que serve hambúrguer honesto, de tamanho compatível com uma coisa chamada fome e de preço justo! Sério, em Porto Alegre já tive que pagar 35 reais por um hambúrguer com o diâmetro de um cookie! Se isso for gourmetizar a coisa, eu não quero nada gourmetizado na minha vida. Tá loco. O Paulista Burger sabe o que a gente quer, sabe do que a gente precisa e é isso que ele entrega. Pedi o Maiobacon (R$29) bem passado e veio bem passado. Minha irmã pediu ao ponto e veio ao ponto. Cerveja gelada, atendimento excelente e “deu pros coco”. Na Augusta, sábado à noite, estava tranquilo.

 

 

Bom Brás

Em uma noite de segunda-feira, jantei a salada de frutas (R$9) e, depois, uma fatia do bolo de milho (R$5). Maravilhoso. Segunda sobremesa de milho que provo na capital paulista que me deixa com vontade de voltar. É molhado, denso e tem bem o gosto do milho. Não tenho fotos, infelizmente, mas confiem em mim. O atendimento é ótimo, os guris são simpáticos e atenciosos. Mais sobre, aquiNo bairro Jardim Paulista. Considero uma boa opção para almoçar quando estivermos perto do MASP e arredores.

 

Fotos e texto: Juciéli Botton para Casa Baunilha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *